sábado, 19 de julho de 2008

Colesterol: Riscos e Benefícios


Muitas pessoas consideram o colesterol como um vilão da saúde, mas ele serve para muitas funções importantes do organismo. Um nível elevado de colesterol sanguíneo, acima de 200 mg, é considerado fator de risco para doença cardíaca. É verdade, portanto, que altos níveis de colesterol, especialmente o mau colesterol, ou colesterol LDL, estão associados com maior risco de doença cardíaca, acidente vascular cerebral e de outros problemas vasculares. Por outro lado, o colesterol forma a principal parte das membranas que envolvem cada célula. Como parte das membranas celulares na pele , o sol é convertido em vitamina D, que regula o uso do cálcio pelo organismo. Ele é convertido no fígado em ácidos biliares, que são necessários para a digestão das gorduras. Ele é importante para a função nervosa. É usado para fazer hormônios sexuais, os agentes químicos que controlam o funcionamento sexual. É também usado para criar hormônios, como cortisona, que controla outras funções orgânicas.
O colesterol não se dissolve em água, o que significa que ele não pode se mover pela corrente sangüínea. Portanto, o fígado combina a molécula de colesterol com ácido gorduroso essencial e o envolve com proteína. O pacote resultante, chamado de lipoproteína, é capaz de se mover pela corrente sangüínea.
A lipoproteína de baixa densidade (LDL) transporta o colesterol por todo o organismo para uso das células. Se os níveis de LDL no sangue forem muito altos, ou seja se o LDL ficar rançoso, o colesterol tende a aderir às paredes das artérias, reduzindo o calibre das artérias. Por isso, o colesterol LDL é chamado de mau colesterol . A Lipoproteína de alta densidade (HDL) é chamada de bom colesterol porque remove o colesterol do sangue e o transporta de volta para o fígado. Somente quando a dieta proporciona ácidos gordurosos essenciais suficientes para se combinar com o colesterol no fígado, ele pode realizar bem suas múltiplas funções.
Ao contrario das gorduras saturadas ( carnes e laticínios), que tem a tendência de elevar os níveis de colesterol no sangue, as gorduras não saturadas baixam o colesterol do sangue. Os ácidos ômega-6 ( exemplo, óleos vegetais refinados) causam a redução do colesterol total e do colesterol LDL e HDL. O óleo mais eficiente na redução do mau colesterol (LDL) é o óleo monoinsaturado (óleo de oliva e de canola, principalmente ).
Um estudo realizado Poe Weidner e colaboradores demonstraram redução da hostilidade e da depressão em indivíduos cuja terapia para redução de colesterol incluía uma dieta rica em peixe. Ao longo dessa linha, Irribarem e seus colaboradores relataram baixos índices de suicídio, com concentração baixas de colesterol no soro numa população havaiana que consumia grandes quantidades de peixe.
Tendo em vista o papel fundamental do colesterol, a redução do nível de colesterol no sangue não deve ser a primeira finalidade. A ênfase deve ser em medidas dietéticas que melhoram a saúde geral e que produzem níveis ótimos de colesterol. É importante aumentar os ácidos monoinsaturados ( óleo de oliva e canola) e o enriquecimento de ácidos ômega-3 ( óleo de canola e de outros alimentos). A gordura monoinsaturada, encontrada principalmente nos óleos de oliva e de canola, é muito eficiente ao reduzir o colesterol LDL ( mau) e aumentar o colesterol HDL bom colesterol. Os ácidos ômegas-3 podem reduzir muito os triglicerídeos no sangue. Pessoas que se alimentam com peixe podem ter reduções no colesterol LDL e nos triglicerídeos, bem como aumento no colesterol HDL, o bom colesterol.

Comforme discutido, o colesterol LDL está conclusivamente ligado ao desenvolvimento de doença cardiovascular e evntos agudos. Consequentemente, o colesterol LDL é o alvo primário dos esforços da intervenção. Uma diminuição de 1mg/dL no colesterol resulta em diminuição de cerca de 1 a 2 % no risco relativo para doença cardiovascular. São fatores que aumentam o colesterlo LDL o envelhecimento, genética, dieta, níveis reduzidos de éstrogeno ( como ocorre com mulheres na pós-menopausa), progestinas, diabetes, hipotireoidismo, sindrome nefrótica, hepatopatia obstrutiva, obesidade e algumas drogas esteróides e anti-hipertensivas.

Destes fatores, uma dieta inadequada e a obesidade são os mais prevalentes. Dietas ricas em gordura saturada e colesterol elevam o LDL pela regulação para baixo dos receptores de LDL no fígado. Com a supressão da atividade do receptor LDL, menos LDL é eliminado do plasma; portanto, os niveis sobem. A obesidade aumenta a produção de lipoproteínas contendo apo-B: VLDL e , consequentemente, LDL.
Fontes de ômega-3: peixe ou cápsulas de óleo de peixe, sementes de linho , nozes e noz pecan e verduras de folhas verdes como espinafre e mostarda.
Progressão natural da aterosclerose:

As estrias gordurosas ver desenho(1) é assintomática, comumente vistas em pessoas com menos de 30anos. Elas não são obstrutivas, células cheias de lípideos ( macrófagos e células de músculo liso) que se formam nas curvas das artérias em resposta à lesão crônica ao endotélio arterial. Nem toda as estrias gordurosas progridem para lesões avançadas. A placa ver desenho(2) com alto teor de lipídio que pode ser mais propensa à ruptura. O lipídeo é derivado do LDL plasmático que entra na parede endotelial danificada. Aplaca fibrosa pode avançar para placa avançada ver desenho(3) ( lesões agudas, complicadas com ruptura e trombo não oclusivo) ou para lesões agudas, complicadas com trombo oclusivo e associadas com angina ou IM infarto do miocárdio e morte súbita.

observe a figura abaixo:
( clic na imagem)

Gráfico
Os valores de gordura saturada e gordura insaturada (monoinsaturada e ômega 3), são discriminados no gráfico a seguir. Gorduras insaturadas, são compostas por dois tipos básicos: as polinsaturadas e as monoinsaturadas, sendo que entre elas a mais conhecida é a Ômega 3. Uma de suas funções é ajudar a diminuir o colesterol sangüíneo, aumentando a quantidade de HDL (lipoproteína de alta densidade), que é uma subcategoria do colesterol, que trabalha absorvendo a gordura e limpando as artérias, depositando a maior parte do colesterol no fígado, que é capaz de quebrar as moléculas de colesterol e eliminá-las do corpo, diminuindo com isso o risco de problemas cardíacos:
(Clic na imagem)





3 comentários:

Anônimo disse...

Cara Marcela;
Recomendo cautela com os óleos vegetais "refinados", pois, existem estes que são comercializados em supermercados que são extraídos com solventes - geralmente hexano (derivado de petróleo) ou por processos de prensagem A QUENTE, que danifica os componentes do óleo (principalemte as vitaminas) com o calor, e contém conservantes (químicos), que são ACIDIFICANTES DO SANGUE, portanto, altamente prejudiciais à saúde.
O de canola é proveniente de uma planta que foi criada pelo homem - desenvolvida geneticamente, portanto, não recomendo o uso também - temos muitos outros óleos que possuem os mesmos componentes (ácidos graxos monoinsaturados), a mesma composição de outros óleos como o de girassol e gergelim por exemplo (que contém alto teor de ácido oléico tmbm...).
Um óleo que acho interessante p/ baixar o LDL, é o de linhaça, que é rico em ômega 3 - que os de canola, girassol, oliva, etc... praticamente não possuem (o teor é baixíssimo).
Vários estudos científicos corroboram as indicações deste ácido graxo combater depressão, síndrome do pânico, falta de memória, distúrbio bi-polar, irritabilidade, síndrome do olho seco, câncer, etc...
Recomendo a leitura dos livros do Dr. Michael A. Schmidt "Gorduras Inteligentes" e "Brain Building Nutrition", o do Dr. David Servan "Curar - o stress, ansiedade e a depressão, sem medicamentos nem psicanálise" e o atual "Anticâncer".
Sempre que as pessoas forem utilizar/comprar um óleo, procurar se informar se este é EXTRA-VIRGEM (da primeira prensagem), se foi EXTRAÍDO A FRIO e de preferência ORGÂNICO.
Abs.,

Alessandro Luiz Freire
Coordenador Geral Equipe Harmônica Medicinas Integradas
www.equipeharmonica.com.br

Marcela Isabel Silveira CRN2: 6225P disse...

Querido sou formada!
leio muito e sei o que falo!
Obrigada e volte sempre!

O Primitivo disse...

A menor mortalidade total observa-se para níveis de colesterol entre 200 e 240 mg/dl, portanto para níveis considerados "elevados". O facto é que colesterol em alta" tende a ser um marcador de longevidade humana, e não o contrário. Não existe bom nem mau colesterol, a substância é a mesma só que em diferentes papéis. Nem colesterol "em excesso", por si só, é indicador do que quer que seja. Por exemplo, pessoas com hipercolesterolemia familar, há 2 séculos, eram as que possuíam maior longevidade, possivelmente porque colesterol alto protege contra infecções. Colesterol "mau" LDL não é marcador de risco cardivascular, porque pacientes internados com evento cardiovascular têm níveis de LDL idênticos ao da população em geral, e também porque o abaixamento farmacológico do LDL tem efeitos praticamente nulos na redução de risco cardiovascular. Colesterol "rançoso" significa oxidação, e esta quase não está relacionada com os níveis, mas sim com estado inflamatório. Por inacreditável que isto possa parecer, gorduras saturadas modelam favoravelmente o perfíl lipídico, tornando-o menos aterogénico. E gorduras poliinsaturadas vegetais, recentemente introduzidas na dieta humana, essas sim causam doença cardiovascular e promovem o cancro em modelos animais. Óleo de oliva é bom mas o de canola é um péssimo óleo geneticamente modificado. Algumas ideias mais sobre colesterol: http://www.canibaisereis.com/tag/colesterol/