sábado, 18 de abril de 2009

O Equilíbrio Ômega-3 e Ômega-6

Existe grande número de trabalhos rigorosamente científicos que atestam a importância da escassez de ácidos gordurosos ômega-3 que veio se acentuando na maioria das dietas ocidentais no decorrer do século XX.
Os ácidos ômegas-3( ω-3) e ácidos ômega-6 (ω-6) são duas famílias de ácidos gordurosos poliinsaturados que são necessários para o crescimento, para as membranas celulares e para a produção de eicosanóides, que são mensageiros químicos que auxiliam na regulação da coagulação do sangue, da pressão sanguínea e da imunidade. Eles são necessários para o desenvolvimento ocular e do cérebro. Estes ácidos essências ( que não podem ser sintetizados pelo organismo )devem ser proporcionados pela dieta. É muito importante que eles sejam consumidos em proporção adequadas, 2 partes ou menos de ácidos ω -6 para 1 parte de ácidos ω- 3. Houve, no ultimo século, grande preponderância dos ácidos ômegas-6 e escassez dos ácidos ômegas-3 na nossa dieta, de 10 a 20 partes de ácidos ω-6 para 1 parte de ω-3.
O desequilíbrio entre os ácidos gordurosos essenciais esta sendo visto pelos cientistas com muita preocupação, pois acredita-se que a predominância dos ácidos da família ω-6 , juntamente com aumento do consumo das gorduras saturadas (animais), o alcoolismo, o tabagismo e a falta de atividade física, são responsáveis por muitas doenças atuais, como a arteriosclerose, a doença cardíaca coronária, a obesidade, o diabete, alguns tipos de câncer, a depressão e outras. Por isso, estão sendo feitas recomendações para enriquecer a dieta com produtos contendo ácidos ω-3 consumindo peixes (ou cápsulas de óleo de peixe), óleo de canola, semente de linho,nozes Pecan, e verduras de folhas verdes e para reduzir os produtos que contêm ácidos ω-6 (principalmente óleos de vegetais ricos em ω-6, como óleos de milho, soja e de girassol, entre outros).
O homo habilis, nosso ancestral, viveu há 2 milhões de anos no Vale Rift da África oriental.
Ele deixou alguns instrumentos primitivos e por isso recebeu o nome de homem habilidoso. Alimentavam-se com verduras, frutas e também carnes e peixes.
Na formação genética do Homo sapiens, uma das influencias mais importantes foi a alimentação. Um exemplo particularmente esclarecedor foi a evolução do cérebro humano, que triplicou de tamanho durante os últimos três milhões de anos. A pesquisa recente sugere que a dieta foi decisiva para permitir o aumento do tamanho do cérebro. Um cérebro maior e mais inteligente ocorre somente em condições ótimas. Grande quantidades de ácidos essenciais das famílias ω-6 e ω-3, foram necessários para a formação de uma estrutura ótima para o cérebro. Dessa forma, é explicada a expansão rápida do córtex cerebral em hominídeos, durante os dois últimos milhões de anos, graças à disponibilidade de um perfil de lipídeos contendo proporções iguais de ω-6 e ω-3. A algumas espécies de hominídeos tinham dietas em frutas, mas os nossos ancestrais diretos dependeram muito de peixe, abrindo a porta para a rápida evolução do cérebro. Esta sendo aceito que o acréscimo na disponibilidade de ácidos gordurosos essenciais de cadeias longas, especialmente ω-3, foram os impulsionadores do crescimento explosivo do cérebro; sem suas fontes abundantes , o complexo e único sistema nervoso humano não poderia ter se desenvolvido, independentemente de outros fatores.
Mas, embora a nossa biologia tenha sido formada na era paleolítica, houve durante o último milênio, particularmente durante o último século, marcantes diferenças nos nossos hábitos e na nossa dieta. Elas iniciaram na Revolução Agrícola, há 10 mil anos e, especialmente, após a Revolução Industrial, no fim do século XVIII. Mas, não foram acompanhadas por mudanças na nossa biologia e na nossa genética. Portanto, uma alteração absoluta e relativa dos ácidos ω-3 e ω-6 ocorreu nos alimentos das sociedades ocidentais, durante os últimos 100 anos. Existia um equilíbrio entre ácidos ω-3 e ω-6, durante milhões de anos em que ocorreu a história evolucionaria do gênero Homo, e as alterações dietéticas ocorreram em resposta a essas influencias dietética. As alterações dietéticas que ocorreram durante os últimos 100-150 anos é um fenômeno totalmente novo na evolução humana.
Foi somente a partir da Revolução Industrial que as mudanças no consumo de alimentos ocorreram rapidamente. Essas mudanças são refletidas principalmente no aumento de consumo de gordura animal e nos desequilíbrios de ácidos ω-3 e ω-6.
Nossa propensão para fritar sem motivos os alimentos aumenta o conteúdo de gordura. Assim, os humanos cozinharam seus alimentos durante varias centenas de milhares de anos, e possivelmente durante mais de um milhão de anos. Enquanto cozinhar no vapor e assar foram técnicas comuns, a fritura não.
Desenvolvemos suprimentos em proteínas, o que é útil em termos de crescimento. Mas em termos de gorduras, somente foi desenvolvida a gordura não essencial ( trans por exemplo) além dos ácidos ω-6 , amplamente presentes nos óleos vegetais processados; enquanto tornaram-se escassas as fontes de ácidos ω-3. Nossa fisiologia hoje é feita para funcionar com a dieta da Idade da pedra. Mas as mudanças mais importantes ocorreram em relação ás gorduras, com o seu impacto no metabolismo lipídico e nas funções endócrinas. Por isso os cientistas acreditam que surgiram mudanças fisiológicas responsáveis por muitas doenças modernas, como aterosclerose, depressão e câncer. Conforme eles acreditam, há muitas discrepâncias entre a nossa dieta atual e a dos nossos ancestrais embora nossa biologia seja a mesma; a maior delas está na falta de ácidos ω-3 e no excesso de ω-6.
Ficou claro, portanto , que houve um declínio na qualidade da nossa dieta. A maioria dos nutricionistas concorda que a dieta que foi adotada pelas sociedades ocidentais, durante o último século, contribuiu para o acentuado aumento de freqüências da doenças coronária, da obesidade, do diabetes e de alguns tipos de câncer. Conforme Alexander Leaf, médico do Masachusetts General Hospital e professor da Universidade de Harvard, “ somente neste século, estas doenças se transformaram em problemas de saúde dominantes”.
Por fim é recomendado a todos que aumentem a ingestão alimentos ricos em ω-3, consumam mais frutas e verduras diariamente, incluam feijões, ervilhas e nozes na alimentação , óleos de canola e oliva e peixe. são bem vindos e diminuam as fontes ω-6 ,( frituras), gorduras trans, e óleos ricos em ω-6 como óleo de milho, soja e girassol.


Fonte: Livro Ômega-3 e ômega 6 o equilíbrio dos ácidos gordurosos essenciais na prevenção de doenças. Dr. Luis Alberto Fagundes.

9 comentários:

Gigi disse...

NossaMarcela, fiquei de boca aberta, não sabia que peixe fazia tão bem assim...
Parabéns!!!
Beijosssssssss

Marcela Isabel Silveira CRN2: 6225P disse...

Olá Gigi, o ômega-3 é um ácido graxo essncial e não pode ser sinteizado pelo organismo e a única maneira de obte-lo é pela dieta, e a maior fonte dele é o peixe, depois temos a linhaça, óleo de canola..
Mas comer peixe faz bem sim e muito bem!
Nossos ancestrais que pescavam e comiam, frutas e verduras, vivam longe destas doenças que presenciamos agora como obesidade, cardiovasculares etç..
Obrigada pelo comentário e volte sempre!!
Beijos

Ana Martins disse...

Olá Marcela,
vim conhecer o teu blogue, e muitos, muitos parabéns por ele, ganhaste uma seguidora, tens um blogue fantástico, e aqui posso sempre aprender alguma coisa e até tirar certas dúvidas.
Parabéns!

Beijinhos,
Ana Martins

saudeeplantas disse...

Olá

Desde já os meus parabéns pelo blog. Este post despertou a minha atenção por trtar de uma matéria pela qual tenho especial interesse. As gorduras polinsaturadas são subdivididas em dois grupos que são eles os óleos ómega-3 e ómega-6 aqui referidos, os quais tendem a baixar o mau colesterol LDL. Além do mais comer peixe faz bem e sabe ainda melhor.

Cumprimentos
SP

Beezzblogger disse...

Olá Marcela, passei para conhecer o teu espaço, e para te deixar um beijinho. Quanto ao tema do post, acho que está uma informação muito útil... a propósito, o meu jantar foi um peixe grelhado...

Gosto muito de peixe grelhado, e também de carne, mas o peixe, é sem dúvida o melhor alimento.

À uns anitos (4 anos) implementei uma forma aqui em casa de refeições:

2ª, 4ª e 6ª, ao jantar é Carne, 3ª, 5ª e sábados ao jantar é peixe, Domingo é dia de guloseima, e não tem referência de comida, ao almoço, eu que como fora, meu filho come na escola, e minha esposa no trabalho, tentamos comer mais peixe, mas às vezes é difícil, então vamos vivendo assim.

Espero que este teu blog cresça e nos ensines a comer bem, e ser saudvel.

Beijos do Beezz

Visita o meu outro espaço, se quiseres, em:
http://beezzblogger.wordpress.com

Educar com sabedoria disse...

A paz de Jesus Marcela! Eu é q agradeço pelas dicas maravilhosas.
Agradeço muito a Deus pelo dom de cada nutricionista, sou muito fã desta profissão abençoada pq rodei mundo para descobri o q meu filho tinha, e foi pela sabedoria de uma nutricionista q eu consegui tratamento para ele! Se vc tiver tempo para saber, eu te conto o q ele tem! Ele é uma benção e um desafio para nós! Um grande abraço em Cristo!

Fred Benning disse...

Oi Marcela, seu blog é de fundamental importância para todos.
Obrigado pelo seu comemtário no Woodstock, a casa esta aberta, volte sempre!

Beijo

Anônimo disse...

boa noite
sou nutricionista, trabalho no RJ, amo e nossa profissão e adorei seu blog, feito com todo carinho, parabens.
www.patriciarung.com.br
Pat

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.