domingo, 5 de fevereiro de 2012

Racismo nos EUA: Dorothy Counts foi a primeira a enfrentá-lo na universidade, mas perdeu

Hoje não vou postar sobre saúde, dietas , vitaminas e etç..Vou falar sobre Dorothy uma mulher de atitude que mudou muita coisa nos EUA.

O vestido de Dorothy foi feito por sua avó especialmente para seu primeiro dia de aula. Cuspiram nele.

Centenas de alunos seguiram e acompanharam sua chegada à escola. De vez em quando alguns jogavam coisas em sua direção enquanto outros faziam gestos obscenos. Os estudantes gritam para ela voltar para casa. Dorothy foi em frente sem reagir.


Pode parecer pouco, mas os quatro dias em que Dorothy tentou frequentar a Harry Harding High School foi de grande importância para o Movimento dos Direitos Civis e fim da segregação racial nos Estados Unidos.


No dia 4 de setembro de 1957, Dorothy Counts tivera o seu primeiro dia de aula na Universidade de Harry Harding, na Carolina do Norte (EUA). Ela foi a primeira estudante negra admitida numa escola pública americana (de brancos), e assim sendo, tal ato de enorme coragem desafiara toda uma mentalidade mesquinha e atrasada, de muitos dos habitantes da Carolina do Norte.
Acompanhada de seu pai, Dorothy (aos 15 anos de idade) foi fotografada pela imprensa (foto de Douglas Martin) a testemunhar a violência que eclodiu naquele período. Embora a constituição garantisse direitos iguais, tal prática não era plenamente exercida na realidade. A esposa de John Z. Warlickthe (líder do “Conselho de cidadãos brancos”) instigou os garotos para manterem-na fora da escola e também pediu as moças para cuspirem nela. Todavia, com todas estas barreiras Dorothy se manteve firme e calma, caminhando sem reagir diante da multidão que a seguia. Muitos faziam gestos obscenos, enquanto outros atacavam pedras.



Este absurdo momento de violência e segregação racial prosseguiu nos dias seguintes. Para ser mais exato foram 4 dias de perseguições e insultos. Além do que já foi descrito jogavam lixo durante a sua refeição e seu armário era saqueado. Depois surgiram ameaças telefônicas agravando ainda mais a situação. Por fim, os seus pais consideraram que a sua vida poderia estar em risco e optaram por tirá-la da escola. A família mudou-se para a Pensilvânia, onde Dorothy frequentou uma escola integrada na Filadélfia.





Soldados da Guarda Nacional protegem estudantes negros que se matricularam em colégios segregados. (1957)

Chega de racismo!!
Fontes :
http://limpinhocheiroso.blogspot.com/2012/01/racismo-nos-eua-dorothy-counts-foi.html

Blog do arcanjo

5 comentários:

Chaban disse...

Nada a comentar, os fatos já dizem tudo. Apenas obrigado pela informação.

Chaban disse...

Nada a comentar, os fatos já dizem tudo. Apenas eu gostaria de agradecer pela informação.

Lu Gomes disse...

Muito bem lembrado obrigada.

Mara faturi disse...

Bárbaro o tema!! Parabéns moça!!! Adorei; assisti um filme sobre o tema, não lembro o nome...se lembrar te falo*)

Bjo!

Marcela Isabel Silveira CRN2: 9531 disse...

Fico feliz que tenham gostado!!!
Bjs