segunda-feira, 10 de maio de 2010

Os Dez Alimentos Mais Saudáveis do Mundo

O nutricionista e psicólogo americano Jonny Bowden esteve no ano passado no Brasil para lançar o livro "As Refeições mais Saudáveis do Mundo". Com doutorado em nutrição pela Universidade Clayton pela Saúde Natural, ele se dedica há mais de duas décadas à pesquisa dos alimentos e aqui enumera quais são os dez mais saudáveis do mundo e que deveriam fazer parte do nosso cardápio diário.


A Sardinha - É rica em proteínas e possui minerais essenciais, como magnésio, ferro e selênio, que têm ação anticancerígena. Esse tipo de peixe também ajuda o organismo a liberar o mercúrio e tem altas concentrações de omega 3, um tipo de gordura "boa", essencial para o funcionamento do cérebro, do coração e para a redução da pressão arterial. As sardinhas são chamadas de "comida saudável em lata" por Bowden, que aconselha que sejam compradas as preservadas no próprio óleo ou em azeite, quando não puderem ser consumidas frescas.
Elas costumavam nadar em grandes cardumes pelos mares da Sardenha, ilha localizada no Mediterrâneo — daí seu nome. Aventureiras, navegaram quilômetros até disseminar populações de sua espécie pelos vários oceanos do mundo . Ao longo de sua missão desbravadora, vieram parar nas águas — e no prato — dos brasileiros, formando a família Sardinella brasiliensis, a típica iguaria nacional. Por ser tão comum e ter um baixíssimo custo, nem todo mundo se dá conta de que a sardinha esconde uma riqueza inestimável.
“Ela contém ácido graxo ômega-3 em quantidades que não deixam nada a desejar a parentes estrangeiros, como o salmão, que levam a fama de ser as melhores fontes da substância”, garante o especialista em ciência e tecnologia dos alimentos Luiz Henrique Beirão, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).
Muita gente pode estranhar, já que o ômega-3, ácido graxo lotado de vantagens para a saúde, é típico de peixes de águas gélidas e profundas. “Essas espécies precisam da gordura para evitar que congelem nessas águas”, justifica o químico e cientista de alimentos Jesuí Visentainer, da Universidade Estadual de Maringá (UEM), no Paraná. Por que, então, a sardinha, que aprecia temperaturas amenas, seria tão rica no ácido graxo? “Por ser migratória e se movimentar muito, ela armazena a gordura como reserva energética”, responde a pesquisadora e doutora em nutrição Cristiane Neiva, do Instituto de Pesca de Santos, no litoral paulista. “Sem contar que também se alimenta de algas ricas em ômega-3”, completa.
A sardinha não só contém ômega- 3 como fornece o ácido graxo em suas melhores variantes: o eicosapentaenóico, conhecido como EPA, e o docosahexaenóico, o DHA. A título de comparação, vegetais como a linhaça fornecem a gordura como ácido alfalinolênico. “Essa substância é convertida em EPA e DHA graças a enzimas no nosso organismo”, explica Jorge Mancini, especialista em tecnologia de alimentos da Universidade de São Paulo (USP). Mas essas enzimas nem sempre dão conta do recado, especialmente no caso de idosos. “E isso compromete o aproveitamento da tal gordura”, conclui Mancini. Já a sardinha se alimenta de algas ricas no ácido alfalinolênico. Assim, a pequena notável se encarrega de transformá- lo na dupla benéfica, que fica pronta para ser absorvida por qualquer um, em qualquer situação.
“No corpo humano, essas gorduras do bem minimizam a ação nociva de compostos inflamatórios”, explica o nutrólogo Celso Cukier, do Instituto de Metabolismo e Nutrição, em São Paulo. Dessa forma, ajudam na prevenção de uma série de males que dão as caras em locais díspares como o coração, o intestino e as articulações. Sem falar que ainda entram na constituição da retina e da massa cinzenta. Recentemente, um trabalho da UFSC analisou as quantidades de ômega-3 em diversos peixes da costa brasileira. E adivinhe... “A sardinha foi a campeã de EPA, ficando à frente de pescados como o bonito e o atum”, confirma Visentainer, um dos responsáveis pela avaliação.
Finalmente, como qualquer peixe que se preze, ela é fonte de proteínas de excelente qualidade, ideal para manter os músculos em dia, e fósforo, um mineral que participa da mineralização dos ossos. Portanto, não faltam motivos para que se inclua essa aventureira dos mares no cardápio. Duas ou três vezes por semana é o suficiente. A versão em lata é uma alternativa válida de vez em quando, até pela praticidade. Só repare em um senão: em conserva, o peixe geralmente vem imerso em óleos ou molho de tomate. “Evite a primeira opção. Ela é fonte de ômega-6, gordura típica da alimentação ocidental e que, em excesso, provoca inflamações”, orienta Cukier. Diante de tantos benefícios, é hora de investir em seus dotes culinários, abusar da criatividade e servir a sardinha à mesa. Vale assada, ensopada ou recheada;




O Repolho - As folhas do vegetal contêm grandes concentrações de substâncias antioxidantes e anticancerígenas chamadas de indoles e sulforafanos. Uma pesquisa da Universidade de Stanford, nos EUA, apontou que o sulforafano é a substância química encontrada em plantas que mais eleva o nível de enzimas anticancerígenas no organismo. O repolho é um vegetal da mesma família da couve. Possui cor verde e é composto de várias folhas sobrepostas em formato arredondado. É um alimento rico em fibras, porém seu consumo pode causar flatulências e, em algumas pessoas, dores abdominais. Existem cinco tipos de repolho: roxo, liso, crespo, chinês e o repolho-de-bruxelas. Contém poucas calorias (apenas 18 por 100 gramas). É consumido cru (cortado em tiras) ou refogado. Embora encontrado em todos os meses do ano, o período de safra ocorre entre os meses de setembro a novembro. Possui boa quantidade de vitamina C e sais minerais (potássio, cálcio e fósforo).
O repolho roxo é rico em antocianinas, os mesmos pigmentos que fazem a fama da uva e do vinho. Seu grande poder — lembra-se? — é o de afastar o risco de infarto. O repolho branco, desbotadinho, não contém essas substâncias. O branco contribui com uma pitada a mais de vitamina A, aquela que previne males como a catarata. Homens precisam de 900 microgramas e mulheres, de 700. Aposte no roxo e dê uma força ao sistema imune. Ele contém mais vitamina C. A recomendação diária é de 90 miligramas para homens e 75 para mulheres. O repolho branco tem mais ácido fólico, uma vitamina que ajuda a diminuir o risco do câncer. O selênio, nutriente que ajuda a manter a pele saudável, aparece mais no repolho roxo. A dose diária para homens e mulheres é de 55 microgramas. O repolho branco tem mais potássio, um mineral que fortalece os músculos. A recomendação diária é de 2 mil miligramas por dia para ambos os sexos. O roxo tem o dobro de fósforo, essencial para os ossos. Homens e mulheres precisam de 700 miligramas diários.





Folha de beterraba - Geralmente jogada fora, é rica em vitaminas, minerais e antioxidantes. Contém carotenóides, pigmento natural dos vegetais que ajuda a proteger os olhos contra o envelhecimento. Bowden também afirma que a beterraba em si também é um dos alimentos mais ricos que existem. As folhas podem ser comidas cruas na salada ou refogadas, como espinafre.





Açaí - Em suco ou misturado à comida, como é feito no norte do país, o açaí é uma das frutas com maior concentração de antioxidantes. Também é rica em gorduras monoinsaturadas e poliinsaturadas, que são benéficas e auxiliam na redução do colesterol ruim e na prevenção de doenças cardíacas. Para Bowden, os brasileiros que não consomem a fruta freqüentemente desperdiçam a benção que a natureza lhes proporcionou. Estudos bioquímicos e tecnólogos sobre o Açaí (Euterpe Oleracea) realizados pelo Centro Tecnológico da Universidade Federal do Pará em seu Departamento de Engenharia Química, e pela Unidade de Bioquímica de Nutrição da Universidade Católica de LOUVAIN (Bélgica) chegaram à seguinte conclusão:
1º) O Açaí é um alimento de base importante. A riqueza em LIPÍDIOS dá ao seu suco um valor energético duas vezes superior ao do leite.
2º) Contém elevada quantidade de VITAMINA E, sendo portanto um antioxidante natural, importante na eliminação dos radicais livres.
3º) Tem grande quantidade de fibras, o que favorece o trânsito intestinal.
4º) Tem um teor considerável de PROTEÍNAS.
5º) Os Teores de POTÁSSIO e CÁLCIO são elevados, o que faz do Açaí um alimento bastante completo.
6º) Contém ainda VITAMINA B1 e elevado teor de pigmentos ANTOCIANINAS (cor roxa violeta) que são também ANTIOXIDANTES, favorecendo a melhor circulação do sangue.
A fruta é pequenininha, arredondada e muito roxa, quase preta. Lembra uma jabuticaba em tamanho reduzido. Tem um caroço grande, e muito pouca polpa.
Para se obter um açaí saudável, o mais importante é a rapidez desde o "debuio" (que é como se diz lá, para o trabalho de tirar os frutos do cacho) até o processamento. Quem diz isso é o Prof. Hervé Rogez, engenheiro químico, cientista e pesquisador da Universidade Federal do Pará, o "Papa" do assunto e fanático tomador de açaí.
O açaí é muito rico em antocianina, uma substância anti-oxidante, que ajuda no combate ao colesterol e aos radicais livres. Você já ouviu que um copo de vinho tinto por dia faz bem ao coração? É devido à antocianina da uva. Não é por acaso que a cor do açaí é semelhante à do vinho tinto, porém o açaí tem 33 vezes mais antocianina que a uva. As antocianinas também são potentes corantes naturais.
Além de ser considerado um dos alimentos mais ricos em ferro, o açaí também é rico em fibras, sendo bastante indicado também para pessoas idosas e/ou com mal funcionamento do aparelho digestivo. Por suas características microbiológicas o açaí é considerado uma das mais nutritivas frutas da Amazônia, perdendo apenas pa ra a castanha-do-pará.
A palmeira do açaí nasce em touceiras com cerca de 6 troncos, que são ligeiramente curvos. Cada tronco apresenta até quatro cachos, onde nascem os frutos. É uma planta que prefere os terrenos alagados e áreas úmidas. Por isso sua ocorrência é mais freqüente nas margens dos rios, como o Amazonas.
Como floresce e frutifica o ano todo, é possível encontrar na mesma árvore, diferentes estágios de maturação, desde flores até frutos maduros. Dessa árvore, que chega a 30 m. de altura e tem nome e sobrenome (Euterpe oleracea Mart.) aproveita-se tudo. As folhas são usadas para cobertura de casas; a madeira é usada em construções rústicas; as fibras das folhas para tecer chapéus, esteiras e ''rasas'', cestas utilizadas como medida-padrão no transporte e comércio da fruta; os cachos secos são aproveitados como vassouras.
Alimento básico das populações ribeirinhas da Amazônia, a fruta ganha mercado nas demais regiões brasileiras, em função de suas qualidades nutritivas Ribeirinhos expõem paneiros carregados de açaí no trapiche da Casa Cajubinha, em Muaná, Marajó Indivíduo não tem medo da boiúna, a senhora de todas as águas que, assumindo forma de cobra ou de embarcações, afunda barcos e engole os náufragos nos rios e igarapés da Amazônia, atemorizando as populações ribeirinhas.
Ele a respeita mais que as deidades da floresta, mas não teme um confronto com o monstro, cuja jurisdição assombrosa cobre mais de 3 milhões de quilômetros quadrados de área, correspondente à imensa malha líquida tecida pelos grandes rios do norte do país e seus afluentes.
O que tiver que ser, será", diz, fatalista, embora admita algumas precauções para evitá-lo. Pede, por exemplo, permissão para encostar seu barco, o Deus Proverá, de 78 cavalos de força e 3 toneladas de capacidade de carga, quando, vencido pelo cansaço, vê-se obrigado a pernoitar à margem de algum igarapé, igapó (mata de várzea coberta com água) ou furo (comunicação natural entre dois rios ou um rio e um lago, transitável em época de cheia) do sul da ilha de Marajó, PA, um dos maiores santuários do planeta, com 50 mil quilômetros quadrados, onde vive.
Batizado Orlando de Nazaré Pereira, Indivíduo afirma que só tem medo do sono que, às vezes, chega sorrateiro como a cobra, colocando sua vida em perigo. Caboclo ribeirinho de 27 anos, nascido no estirão da Bela Vista, em Muaná, município de 23 mil habitantes (70% dos quais vivem na zona rural), ele é um dos milhares de paraenses que, como seus irmãos Wilson, o Animal, e Raimundo, o Diquinho, ganham a vida coletando, transportando ou vendendo açaí, uma frutinha arredondada, de cor predominantemente roxa, quase preta, típica do estado.







Goiaba - Rica em fibras, minerais e vitaminas. Também possui grandes quantidades de licopeno, o mais antioxidante entre todos os carotenóides. O licopeno auxilia na prevenção do câncer de próstata e reduz os riscos de surgimento de catarata e doenças cardiovasculares.
A goiaba tem grande valor nutritivo, principalmente pelo seu alto teor de vitamina C, importante no combate às infecções, hemorragias, fortalecimento dos ossos e dentes, cicatrização de cortes e queimaduras. Possui também vitamina A, boa à vista, conserva a saúde da pele e das mucosas e auxilia no crescimento e, vitamina B1, que ajuda na regularização do sistema nervoso e aparelho digestivo, tonificando, ainda, o músculo cardíaco.
Contém também sais minerais como Cálcio, Fósforo e Ferro que contribuem para a formação dos ossos, dentes e sangue.
É indicada para pessoas de todas as idades, podendo constar de qualquer tipo de dieta. Só deve ser evitada por aqueles que possuem aparelho digestivo delicado, ou que tenham problemas intestinais (diarréias, estomatites).
Sob a forma de chá, é eficiente em gargarejos, nas infecções da boca e garganta, ou para lavagens de úlceras e irritações vaginais.
De preferência, a goiaba deve ser consumida ao natural, quando conserva todos os seus princípios nutritivos, principalmente a vitamina C.
Para conservar goiabas, o melhor é limpá-las e guardá-las na geladeira, pois se estragam com facilidade. Quando não são consumidas logo, começam a ficar passadas. Mesmo assim, servem para fazer deliciosos doces. Em boas condições, as goiabas se conservam por uma semana na geladeira.
Seu período de safra vai de janeiro a maio. Cem gramas de goiaba fornecem 69 calorias.








Cereja fresca - Tem altas concentrações de antocianina, um antiinflamatório natural. Deve ser comida ao natural ou misturada com iogurte ou vitaminas. Cereja é o fruto da cerejeira, planta originária da Ásia, que deve ser cultivada em regiões frias. A cereja é um fruto pequeno, com 2 cm aproximadamente, arredondado, de cor vermelha, polpa macia e suculenta. Existem muitas variedades da fruta, todas contendo vitamina A, cálcio e fósforo. As árvores que não produzem fruto são cultivadas como planta ornamental no Japão. A cereja pode ser consumida ao natural, como sobremesa. É usada na preparação de conservas, compotas, bebidas como o cherry e o kirsh. Ao natural a cereja tem propriedades refrescantes, diuréticas e laxativas. Dá um toque de elegância na decoração de doces, sorvetes, coquetéis.
No Brasil, não há consumo in natura da cereja, uma vez que toda a fruta consumida é importada na forma industrializada.
É fonte de Vitamina A e C. Além de fornecer sais minerais como cálcio, ferro e fósforo.
Pode ser classificada segundo seu grau de acidez. A doce, de polpa macia e suculenta, é servida ao natural, como sobremesa. A ácida, de polpa bem mais firme, é usada na fabricação de conservas, compotas e bebidas licorosas.
É alcalinizante, remineralizante, combate a desinteria, e eficaz contra a arteriosclerose.









Chocolate meio-amargo - Rico em flavanóides, que diminuem a pressão sangüínea e promovem o bom funcionamento do sistema circulatório, tem altas concentrações de magnésio, um mineral importante para mais de 300 processos biológicos do organismo. O chocolate meio amargo aumenta os níveis de antioxidantes no sangue, capazes de proteger o corpo de doenças cardíacas e até câncer. No estudo da Universidade de Glasgow e do Instituto Nacional para Pesquisa de Alimentos e Nutrição da Itália, os antioxidantes aumentaram 20% após a ingestão de 100 gramas de chocolate meio amargo nos 12 voluntários, em comparação com o chocolate ao leite. Isso porque o leite interfere na capacidade de absorção dos antioxidantes e pode neutralizar os benefícios.
Uma quantidade maior de antioxidantes reduz a taxa de radicais livres na corrente sanguínea, cuja concentração é ligada a doenças cardiovasculares e alguns tumores.
Entretanto, há de se ter cuidado na ingestão do chocolate, devido a grande quantidade de gorduras saturadas presentes no alimento, que contribuem para o aumento dos níveis de colesterol e os riscos de doenças cardíacas. Mais de um pequeno pedaço de chocolate por dia pode não trazer benefícios, só quilos.
Essa descoberta aumenta a possibilidade de que os laticínios afetem os benefícios de outros alimentos, como o chá e as frutas, que, acredita-se, também possui efeitos antioxidantes. Os pesquisadores solicitam que futuros estudos sobre o impacto desses alimentos na saúde levem em consideração os resultados dessa pesquisa.
Estudo publicado recentemente sugere que o consumo de chocolate meio-amargo pode ajudar na redução do colesterol.
Uma pesquisa das universidades de L’Aquila, na Itália, e Tufts, em Boston, que foi publicada na revista científica Journal of Nutrition concluiu que a ingestão de alguns gramas de chocolate meio-amargo enriquecido por dia, durante 2 semanas, ajuda a reduzir o risco de doenças cardíacas.
Segundo os estudiosos a ação benéfica vem de compostos chamados flavonóides presentes no cacau, principal ingrediente do chocolate. Acredita-se que os flavonóides aumentam a produção de óxido nítrico, substância que relaxa e dilata as artérias.
A pesquisa foi desenvolvida com a ajuda de 19 participantes, 11 homens e 8 mulheres, sendo que todos apresentavam problemas de pressão alta e resistência à insulina.
As pessoas foram divididas em dois grupos, os que comeram100 gramas de chocolate meio-amargo diariamente durante 2 semanas tiveram uma queda na pressão sanguínea.
O outro consumiu 100 gramas de chocolate branco durante o mesmo período, mas seus participantes não apresentaram melhoras quanto a pressão arterial.
Outros estudos já haviam mostrado os benefícios do chocolate para o coração. O que essa pesquisa traz de inovador é a demonstração de que esses benefícios acontecem já a curto prazo.
Os cientistas alertam que a dieta sugerida envolve apenas chocolates enriquecidos,










Frutas oleaginosas - São as castanhas, as nozes e as amêndoas. Bowden afirma que todas trazem inúmeros benefícios, apesar do elevado teor calórico. Possuem muitos minerais, proteínas e altos níveis de Omega 3 e Omega 9. As frutas oleaginosas – nozes, avelãs, amêndoas, castanha do Pará, entre outros – estão sendo cada vez mais valorizadas pelo seu papel de nutrir e prevenir doenças com as cardiovasculares. Na sua composição há um tipo de gordura saudável, as do tipo insaturadas como ácidos graxos monoinsaturadas e poliinsaturadas que são responsáveis pelos efeitos benéficos desses alimentos como diminuição do LDL- colesterol (colesterol ruim) e pelo aumento do HDL-colesterol (colesterol bom), prevenindo, assim, doenças cardiovasculares.
O LDL-colesterol aumentado no sangue provoca um aumento na deposição de placas de gordura nas artérias, impedindo a passagem do fluxo sanguíneo.
Essa condição caracteriza uma doença chamada de aterosclerose. Já o HDL-colesterol tem a função de transportar o colesterol dos tecidos para o fígado, por isso é conhecido como bom colesterol.

Outros fatores benéficos estão relacionados às frutas oleaginosas, como a amêndoa, por exemplo. Segundo estudo do International Journal of Obesity, a amêndoa está ligada a uma melhora no perfil de eliminação de peso. De acordo com este estudo, dois grupos tiveram uma dieta com baixas calorias, um grupo de pessoas com dieta rica em carboidratos complexos e outro grupo de pessoas com uma dieta rica em amêndoas.
Este último grupo, comparado com o primeiro, obteve uma perda de peso mais efetiva, além de ter uma maior diminuição na circunferência de cintura e gordura total. Isso indica que incluir amêndoas em um plano alimentar de emagrecimento tem como resultado uma melhor qualidade na eliminação de peso.
É claro que o segredo está na quantidade, já que a amêndoa, como todas as outras frutas oleaginosas são ricas em calorias. Uma quantidade equivalente a 85g por dia é suficiente para a realização desses efeitos e para não prejudicar o emagrecimento, se bem adequada a um plano alimentar específico.
Sem falar nos nutrientes que você estará acrescentando na sua alimentação, como proteínas, fibras, selênio, cálcio, ferro, potássio, zinco, vitamina E, ácido fólico e magnésio, além das gorduras insaturadas.











Canela - Ajuda a controlar o nível de açúcar e de colesterol no sangue, o que previne o risco de doenças cardíacas. Para usufruir dos benefícios da especiaria, basta polvilhar um pouco de canela em pó no café ou no cereal matinal.
A canela é uma árvore originária do Ceilão, da Birmânia e da Índia e conhecida há mais de 2500 anos a.C. pelos chineses. Seu nome científico, "cinnamomum", segundo referências, é derivado da palavra indonésia "kayu manis", que significa "madeira doce". Mais tarde, recebeu o nome hebreu "quinnamon", que evoluiu para o grego "kinnamon".
A canela era a especiaria mais procurada na Europa e seu comércio era muito lucrativo. O monopólio do comércio da canela esteve nas mãos dos portugueses no século XVI, passou para os holandeses, com a Companhia das Índias Orientais, quando esses expulsaram em 1656 os portugueses do Ceilão, e depois, passou para as mãos dos ingleses, a partir de 1796, quando esses ocuparam essa ilha.
As canelas são algumas das espécies mais antigas conhecidas pela humanidade. A mais difundida é a Cinnamomum zeylanicum, originária do Ceilão, atual Sri Lanka. Outras, entretanto, como a Cássia (Cinnamomum cassia), chamada de falsa-canela e conhecida como canela-da-China, também têm importância econômica. Esta espécie é uma Laurácea arbórea muito cultivada nas províncias do sudoeste da China. As partes mais úteis das canelas são o córtex dessecado e o óleo. O óleo é obtido das folhas por destilação, por arraste a vapor. Seu principal constituinte é o aldeído cinâmico, cujo teor pode ser superior a 80%.
Considerada símbolo da sabedoria, a canela foi usada na Antigüidade pelos gregos, romanos e hebreus para aromatizar o vinho e com fins religiosos na Índia e na China. Entre as muitas histórias da canela, conta-se que o imperador Nero depois de matar com um pontapé sua esposa Popea, tomado de remorsos ordenou a construção de uma enorme pira para cremá-la. Nessa pira foi queimada uma quantidade de canela suficiente para o consumo, durante 1 ano, de toda a cidade de Roma! Mesmo sem a importância que teve no passado e não sendo mais motivo de lutas entre os povos, a canela continua indispensável, como tempero na culinária moderna.
A Cinnamomum zeylanicum cresce bem em solo brasileiro, onde já foi bem cultivada no passado, tendo sido introduzida pelos jesuítas. A canela é mencionada até em passagens bíblicas. No Livro dos Provérbios da Sagrada Escritura, por muitos atribuído a Salomão, no versículo "As Seduções da Adúltera", é feita a seguinte referência à canela:
"Adornei a minha cama com cobertas, com colchas bordadas de linho do Egipto.
Perfumei o meu leito com mirra, alóes e cinamomo ...
Vem ! Embriaguemo-nos de amor até ao amanhecer,
Porque o meu marido não está em casa;
Que o teu coração não se deixe arrastar pelos caminhos dessa mulher,
A sua casa é o caminho para a sepultura,
Que conduz à mansão da morte".
Simbolicamente, a canela é uma especiaria ligada ao amor, sendo empregada muitas vezes como ingrediente para perfumes mágicos e poções para conquistar a pessoa amada. Há quem acredite que ela atrai o sucesso nos negócios, trazendo sorte e determinação para a resolução de problemas.
Ficha da planta
Família: Lauráceas
Origem: Ceilão, Birmânia, Índia
Outros nomes populares: caneleira, caneleira-da-índia, caneleira-de-ceilão, cinamomo e pau-canela.
Outros Idiomas: cinnamomi (latim), cinnamon (inglês), canela (espanhol), cannelle (francês), cannella (italiano) e zimt (alemão).
Características: A caneleira é uma árvore que requer cerca de 1.300 mm de chuva por ano e temperatura média anual de superior a 21° C. A casca dos ramos é comercializada em rama (pau), raspas e pó. A caneleira é utilizada na culinária e na fabricação de bebidas, medicamentos, perfumes e sabonetes. Outras espécies do gênero Cinnamomum e Cassia também produzem canela. A canela é uma árvore de ciclo perene e que atinge até 8 a 9 metros de altura. O tronco alcança cerca de 35 centímetros de diâmetro.
As folhas são coriáceas, lanceoladas, com nervuras na base, brilhantes e lisas na parte superior e verde-claras e finamente reticuladas na parte inferior. As flores são de coloração amarela ou esverdeada, numerosas e bem pequenas, agrupadas em cachos ramificados.
Composição Química: acetato de eugenol, ácido cinâmico, açúcares, aldeído benzênico, aldeído cinâmico, aldeído cumínico, benzonato de benzil, cimeno, cineol, elegeno, eugenol, felandreno, furol, goma, linalol, metilacetona, mucilagem, oxalato de cálcio, pineno, resina, sacarose, tanino e vanilina. Partes Usadas: Óleo essencial e casca desidratada.
Propriedades Medicinais: Adstringente, afrodisíaca, anti-séptica, aperiente, aromática, carminativa, digestiva, estimulante, hipertensora, sedativa, tônica e vasodilatadora.












Semente de abóbora - É uma grande fonte de magnésio. Esse mineral é tão importante, explica Bowden, que estudiosos franceses concluíram que homens com altas taxas de magnésio no sangue têm 40% menos chances de sofrer uma morte prematura do que aqueles com baixos índices. Para consumi-las, toste-as no forno e coma-as por inteiro, inclusive com a casca, que é rica em fibras. A abóbora é uma planta da família das Cucurbitáceas, de caule rasteiro ou trepador. Algumas variedades são oriundas do Oriente Médio e Américas, mas atualmente é cultivada no mundo inteiro. Planta própria de climas quentes, requer temperaturas entre 20 a 27ºC para seu cultivo e produtividade. É sensível ao frio abaixo de 10ºC e geadas. Várias espécies do gênero Cucurbita são conhecidas como abóboras. A Cucurbita maxima (abóbora-moranga ou jerimum) é originária do Peru e chegou à Europa depois da conquista espanhola em 1532. A Moranga exportação (fruto com casca alaranjada e polpa amarela) e a Moranga Coroa IAC (fruto com casca cinzenta e polpa amarela) são variedades bastante comerciais. Também conhecidas como abóboras são a Cucurbita moschata, que pode ter-se originado no México, mas presente há 5.000 anos nas Américas do Sul e Norte, e a Cucurbita pepo que é mexicana de origem, e cresce na América do Norte meridional há mais de 8.000 anos, chamada de abóbora-porqueira ou abobrinha verde.
O uso de sementes de abóbora na medicina chinesa data do século XVII, com relatos no combate de parasitas intestinais. As sementes são retiradas dos frutos completamente maduros e postas para secar rapidamente ao sol. Contém de 44 a 50% de fração oleosa (rica em ácidos graxos mono e poliinsaturados), elevado teor de fibras (23-27%) em relação às demais sementes, albuminas (proteínas – 37-40%), a cucurbitacina (um glicosídeo resinoso), sais minerais, especialmente zinco, magnésio e potássio, vitaminas do complexo B, sais do ácido fólico (folatos) e outras substâncias ainda desconhecidas.
A riqueza em cucurbitacina, substância que lhe dá a classificação botânica, confere à semente de abóbora reconhecida propriedade antiinflamatória, principalmente nas doenças da próstata e do sistema urinário. Cozida em água é uma boa indicação para o tratamento da bronquite. Além de ser um ótimo vermífugo para adultos e crianças.
O psicólogo Jonny Bowden (Doutorado em nutrição pela Universidade Clayton/EUA pela Saúde Natural), que se dedica à pesquisa dos alimentos há duas décadas, fez em 2008 uma lista dos 10 alimentos para os quais damos pouca atenção, mas que deveriam fazer parte da alimentação diária (*). O oitavo da lista são as frutas oleaginosas e o décimo da lista, reforçando, é a semente de abóbora, por ser uma boa fonte de magnésio, que segundo estudos franceses, homens com altas taxas de magnésio no sangue têm 40% menos chances de sofrer uma morte prematura do que aqueles com baixos índices.
Com tais características, a abóbora e sua semente são alimentos de interesse nutricional para crianças, adolescentes, gestantes, pessoas em convalescença e todos que desejam melhor desempenho de memória e inteligência.
As sementes são mais terapêuticas se consumidas frescas e cruas, com ou sem casca. Melhor ainda se deixadas de molho durante a noite e batidas num suco ou vitamina pela manhã. A semente de abóbora torrada e salgada, como normalmente comercializada, não apresenta o mesmo valor terapêutico descrito a seguir.
Rica em ácidos graxos monoinsaturados, pesquisas têm comprovado que o óleo contido nas sementes de abóbora apresenta resultados benéficos no tratamento de problemas da vesícula (congestão e cálculos) e próstata (hiperplasia).
Coração
O óleo contido na semente da abóbora é comparável ao azeite de oliva, quanto ao seu elevado teor de ácidos graxos monoinsaturados, já reconhecidos como benéficos ao sistema cardiovascular. Estudos revelam que o seu consumo diário tem efeito redutor das taxas de colesterol e triglicérides. As vitaminas A, B1, B2, E, Niacina, Ácido fólico, e os minerais magnésio, zinco, ferro, cobre, potássio, manganês, cálcio e selênio complementam este pacote alquímico que promove saúde ao coração.
Pressão sanguínea
Aposte na semente de abóbora para prevenir e tratar hipertensão arterial. Rica em potássio (919 miligramas), este mineral cumpre importante função no controle da pressão arterial. Homens e mulheres precisam consumir cerca de 2.000 miligramas de potássio/dia.
Prisão de Ventre
A concentração de fibras na semente de abóbora é bastante elevada, o que torna o consumo diário desta semente muito indicado na prevenção e tratamento da prisão de ventre. Mas não esqueça que: 1) a semente crua é muito mais benéfica que a torrada e, 2) o aumento do consumo de fibras deve ser acompanhado pelo adequado consumo de líquidos: água, sucos e alimentos crus.
Pele, cabelo e olhos
Rica em vitamina E (3,910 miligramas), uma vitamina de reconhecida ação antioxidante, o consumo diário desta semente pode ser um coadjuvante no combate ao envelhecimento precoce, não só da pele, como das células de todo o organismo. A dose recomendada para homens e mulheres é de 15 miligramas/dia.
Rica em vitamina A (6,2 microgramas), previne doenças como a degeneração macular. Vale um lembrete: mulheres precisam de 700 microgramas/dia, enquanto os homens precisam de 900 microgramas/dia.
O óleo extraído da semente de abóbora, usado tanto interna quanto externamente, auxilia no tratamento de queda de cabelo, quando combate o DHT (DiHidroTestosterona), que é o hormônio que penetra nos receptores dos folículos pilosos, iniciando um processo de enfraquecimento e perda dos cabelos.
Próstata
A semente de abóbora têm sido considerada um dos melhores tratamentos naturais na prevenção de problemas da próstata e trato urinário. Seus lipídios e alta concentração de zinco, melhoram a tonicidade dos músculos da bexiga, descongestionando a próstata. Ela pode ser ministrada como um coadjuvante na hipertrofia e inflamação da próstata, e também para prevenir quadros de inflamação da vesícula urinária.
Receita: cozinhe 150 gramas de sementes inteiras de abóbora (frescas e cruas, sem descascar) em 1 litro de água filtrada por 20 minutos em fogo lento. Deixe esfriar e transfira para uma garrafa ou recipiente de boca larga. Não é necessário coar, pois as sementes permanecerão no fundo, e poderão ser jogadas fora após o total resfriamento. Tome um copo desta água três vezes ao longo do dia.
Vermífugo
A abóbora está inscrita nas Farmacopéias Brasileiras I e II onde consta como parte usada a sua semente. Os autores, em geral, como Pessoa (1946:407), Youngken (1959:1105), Font Quer (1978:773), Claus & Tyler (1968:156), destacam a ação anti-helmíntica (vermífuga) das sementes de abóbora, particularmente no combate à tênia. O princípio ativo que lhe confere esta notável propriedade, são componentes ativos de caráter resinoso localizados no embrião e na membrana verde da semente: a cucurbitacina.
Alguns autores mencionam a semente crua e descascada outros a semente torrada. De qualquer forma, como se trata um tratamento de dose única, a indicação é de 100 a 150 gramas (crianças) e 200 a 250 gramas (adultos).

Uma curiosidade sobre usos das Abóboras e Morangas
Polpa - rica em vitaminas e sais minerais de fácil digestão é usada no preparo de doces, sopas, refogados, suflês, nhoques, pão, bolos, purês, sorvetes; compõe, bem, cozidos, feijoadas, assados. Crua, ralada, constitui saladas leves e saborosas. Crua, junto com suas sementes, resulta em desintoxicantes benéficos na redução da glicemia. Isenta de agrotóxicos, pois sua dura casca é um bloqueio natural a pragas, trata-se de um substituto, com muitas vantagens, da batata-inglesa que no Brasil é extremamente contaminada com agrotóxicos.
Folhas - cambuquira: parte muito rica da aboboreira, pouco usada na culinária. Previamente refogadas ficam deliciosas em sopas e caldos.
Flores - podem ser servidas em sucos desintoxicantes, omeletes ou à milanesa.
Sementes e brotos – elevado teor de ferro podem ser consumidas, cruas e frescas, desidratadas ou germinadas, em sucos desintoxicantes e saladas.


Fonte: matéria publicada na revista Época.

http://www.oarquivo.com.br/portal/index.php/assuntos-gerais/qualidade-de-vida/1450-os-10-alimentos-mais-saudaveis-do-mundo

7 comentários:

Fred Benning disse...

Woodstock foi deletado pela DMCA,agora novo endereço.

http://www.musica-quemudouomundo.blogspot.com/

Abraço..

Oscar Guillermo disse...

Gostei de seus ensinamentos, gostaria de intercambiar ideias, e agregar nossos blogs, estou iniciando o meu,logologo vc vera ele em atividade. Oscar

Maria José disse...

São bem gostosos. Nada impossível de se fazer no dia a dia.
Estou passando aqui para dizer-lhe o quanto sou grata por sua presença no Arca. Tenho dado pouca atenção ao seu blog por pura falta de tempo. Perdoe-me. Voltarei a organizar meu tempo. Obrigada pelo carinho e amizade. Beijos e fique com Deus.

Paulo José disse...

Em relação a sardinha, concordo com tudo excepto, que a mesma é originaria da Sardenha! O nome não contesto, mas se pesquisassem mais, veriam que Portugal é dos países do mundo onde se come mais sardinha per capita, as costas Portuguesas são abundantes nesse famoso peixe, no verão em Portugal( Junho a Agosto )é raro o Restaurante que não tenha sardinhas no menu principal, No feriado municipal de Lisboa (13 de Junho ), A "ÚNICA" comida que imprescindível no festejo é a Sardinha! A sardinha está para os Portugueses, assim como o Suchi está para os Japoneses! Não vi no comentário da sardinha uma única referencia a Portugal! Incrível !
O desconhecimento que o Brasil tem em relação a Portugal, é abissal, de uma ignorância avassaladora!

Marcela Isabel Silveira CRN2: 9531 disse...

Ok, mas não sou autora do texto que postei e gostei muito, mas vejo que ficou chateado, mas não podemos agradar a todos e citar o que todos gostariam de ouvir,e não desconhecmos Portugal, o que citava era a sardinha, fiz um trabalho sobre a Razão ômega3- e ômega-6 e lhe falo, vi Portugal citada somente num livro que citava a receita do Bacalhaou a Gomes de Sá... Poxa isso é erro de várias referencias então, não só dessa aqui....è uma pena, lamento por você!
Atenciosamente
Marcela

João Luiz disse...

Olá Marcela,
Acho que você não devia ter perdido tempo com essa besta quadrada que disse que a sardinha não é originária da Sardenha somente pelo fato, não comprovado por ele, de que Portugal é o país do mundo onde mais se consome sardinhas per capita.
Afinal de contas: quantos habitantes há em Portugal?
Talvez somente um estado brasileiro, como por exemplo o Rio de Janeiro que deve ser mais ou menos da mesma dimensão geográfica de Portugal se consome mais sardinhas do que eles.
Parabéns Marcela e achei legal todos os outros comentários "excepto" o desse português metido a besta.

Marcela Isabel Silveira CRN2: 9531 disse...

Obrigada João Luiz mas sabe como é..sempre tento ser cordial com todos..rs Realmente o comentário dele foi desnecessario, mas fazer o que...heheheeh
Obrigada e volte sempre aqui!
Abração!!!!